68º Congresso Nacional de Botânica e XXXVI Jornada Fluminense de Botânica

Anais do 68º Congresso Nacional de Botânica e XXXVI Jornada Fluminense de Botânica

Rio de Janeiro, 20 a 25 de agosto de 2017

A família Bromeliaceae Juss. na Amazônia Brasileira: notas sobre distribuição, novas ocorrências e gêneros dominantes

Nogueira, Matheus G. C.; (1) (2); Awade, Marcelo (1) (3)

(1) Instituto Tecnológico Vale – Desenvolvimento Sustentável; (2) Museu Paraense Emílio Goeldi – CBO; (3) Universidade de São Paulo – Departamento de Ecologia.

Um dos maiores desafios botânicos para os próximos anos é aumentar o conhecimento da diversidade das espécies e dos habitats da região amazônica, auxiliando assim a conservação da biodiversidade. Com mais de 5,5 milhões de km², a Amazônia abrange nove países e, no Brasil, este domínio estende-se por nove estados ocupando 60% do território brasileiro. Segundo os dados do Flora do Brasil, a Amazônia Brasileira (AB) pode ser considerada como uma região de baixa diversidade para família Bromeliaceae (141 espécies e 22 gêneros) se comparada às regiões montanhosas e florestais do interior e costa leste do Brasil. Entretanto, apesar desta reduzida estimativa genérica e específica, o conhecimento sobre as bromélias da Amazônia é ainda incipiente. As principais referências são obras tradicionais como a Flora da Reserva Ducke, guias ilustrados de regiões pontuais e descrição de novas espécies. Neste estudo, a diversidade de ambientes e áreas ocupação dos táxons foi analisada, utilizando-se como ponto de partida coleções representativas de Bromeliaceae da AB. Assim, foram realizadas viagens de campo mensais nos últimos 48 meses, sendo possível incrementar, autenticar e atualizar as identificações nos herbários. Com este esforço de coleta e de revisão, foi construído um banco de dados, obtendo-se um panorama geral das ocorrências e enriquecendo-se a lista de espécies apresentada pelo Flora do Brasil. Em valores atualizados, a AB possui no total 27 gêneros de Bromeliaceae (+22,7%) e 252 espécies (+78,7%). Aechmea é o gênero dominante na Amazônia Brasileira, seguido por Ananas, Tillandsia e Pitcairnia. Alguns gêneros, como Brocchinia, Cottendorfia, Dyckia, Lindmania, Navia e Steyerbromelia, são registrados apenas em formações rochosas, perfazendo uma distribuição disjunta e com filtros ambientais bem definidos. O incremento significativo da riqueza e diversidade das espécies amazônicas demonstram a importância da revisão dos museus para análise da diversidade, direcionando coletas para pontos considerados hotspots observados na autenticação do material já coletado. Diante do exposto, os estágios subsequentes do trabalho irão se concentrar na composição de mapas de distribuição, por meio de modelagem de distribuição espacial que levam em conta o efeito de variáveis climáticas e da altitude para inferir os ambientes favoráveis para a ocorrência das espécies de bromélias amazônicas.

Palavras chave: bromélias, região amazônica, diversidade