Brasil precisa deixar ‘improviso’ de lado contra febre amarela

Virologista: Brasil precisa deixar ‘improviso’ de lado contra febre amarela

por Ana Lucia Azevedo

Luiz Tadeu Figueiredo, professor de Virologia da USP – Reprodução / .

RIO – Os casos de febre amarela silvestre nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo têm todos a mesma origem: um grande surto em macacos, aquilo que a ciência chama de epizootia. Veja um macaco doente e saiba onde o vírus está, afirma o virologista Luiz Tadeu Figueiredo, professor titular de Doenças Infecciosas e Tropicais e coordenador do Centro de Pesquisa em Virologia na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Figueiredo é um dos mais experientes especialistas do Brasil em arboviroses, as infecções virais transmitidas por artrópodes como os mosquitos. E acompanha o surto com preocupação. Leia mais.

87 mortes por febre amarela

87 deaths from yellow fever

O Ministério da Saúde acaba de atualizar os casos suspeitos de febre amarela: o número subiu para 421, sendo 87 mortes em Minas Gerais (onde foi constatado o surto da doença), Espírito Santo, Bahia, São Paulo e Distrito Federal.