Declínio de polinizadores no mundo

Estudo faz diagnóstico sobre declínio de polinizadores no mundo

Trabalho também sugere políticas para conservação de espécies como abelhas, borboletas e moscas

RODRIGO DE OLIVEIRA ANDRADE 

© LÉO RAMOS

Abelha Borá (Tetragona clavipes) fazendo polinização em Belém

O uso intensivo de fertilizantes químicos, a destruição e degradação de áreas florestais e o agravamento das mudanças climáticas são as causas do declínio das populações de insetos polinizadores, como abelhas, moscas e borboletas, ao redor do mundo. A conclusão é de um amplo estudo de revisão feito por um grupo internacional de pesquisadores, entre eles a bióloga Vera Lúcia Imperatriz-Fonseca, do Departamento de Ecologia do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP). Em artigo publicado na segunda-feira, 28/11, na revista Nature, a equipe apresenta as principais ameaças associadas à diminuição de espécies polinizadoras em várias regiões do planeta tendo como base dados biológicos e registros da lista vermelha das espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN). No estudo, há ainda indicação de políticas e intervenções que poderiam ajudar a reverter esse cenário. Leia mais.