Malária na gestação pode reduzir perímetro da cabeça de recém-nascido

 Malária na gestação pode reduzir perímetro da cabeça de recém-nascido

Apesar de a microcefalia ser reversível ao longo do crescimento, não se sabe as consequências futuras para a criança

Por Ivanir Ferreira 

Durante a gravidez, as complicações parasitárias da malária são mais graves: além de microcefalia temporária, podem ocorrer partos prematuros, risco de aborto e baixo peso no nascimento. Na foto, a pesquisadora Jamille G. Dombrowski, que esteve em trabalho de campo no Acre – Foto: Rodrigo M. Souza 

Estudo com gestantes infectadas com malária do Vale do Alto Juruá, no Acre, indica que elas possuem maior risco de terem partos prematuros e filhos com microcefalia – reversível, porém, conforme ocorre o crescimento da criança. A constatação foi feita por pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP em levantamento feito entre os anos de 2006 e 2014 no norte do País. O objetivo do trabalho foi avaliar os efeitos deletérios da malária durante a gravidez e produzir dados para subsidiar ações públicas na área de saúde materno-infantil da região…

Malaria during pregnancy and newborn outcome in an unstable transmission area in Brazil: A population-based record linkage study.

 https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29928025